-

{RESENHA} O Diário de Mr.Darcy

Lido em: Maio de 2015
Título: O Diário e Mr.Darcy
Autor: Amanda Grange
Gênero: Romance
Páginas: 220
Ano: 2015
Nota:
Skoob

Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso, mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína — recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu.

Olá amadinhos, como estão?! Tudo legal?! Entãooo, eu resolvi resenhar hoje sobre um livro que eu absolutamente amo e que se certa forma todo mundo conhece.

Eu não sei vocês, mas sou uma super fã obcecada por Orgulho & Preconceito, de verdade, tanto que adoro fuçar na net procurando fanfics. Sim, sou dessas. Então, quando descobri que tinha um livro que contava tudo pelo ponto se vista do Mr.Darcy, vomitei arco-íris, pra caramba.

Mas vamos fingir que ninguém conhece a história se Lizzie e Darcy para que eu possa resenhar sem nenhuma afetação ou spoilers (hahaha!).
— Sim, deve possuir tudo isso — acrescentou Darcy. — E acrescentar ainda alguma coisa mais substancial: o desenvolvimento do seu espírito pela leitura intensa
— Já não me espanto de que conheça apenas seis mulheres completas, espanto me é de que conheça alguma.
— Julga com tanta severidade o seu sexo, que duvida da possibilidade de tudo isto?
— Eu nunca vi uma tal mulher. Nunca vi tanta capacidade de aplicação, gosto e elegância reunidas numa só pessoa.
  Certo, orgulho e preconceito (que eu recomendo que vocês leiam antes) conta a história da família Bennett formada por 5 irmãs que foram criadas por uma mãe casamenteira e um pai maroto até demais. Nosso foco está principalmente nas duas irmãs Bennett's mais velhas: Jane e Elizabeth. Jane por ser a mais velha e a mais bela (e a mais boazinha e obediente e... Perfeita) carrega nas costas o peso de fazer um bom casamento para que quando seu pai morrer, sua família possa ficar com Longborn (a casa), já que naquela época mulheres não podiam ter propriedades. Temos então Lizzie, espirituosa e divertida, ela pode não ser tão bonita quanto Jane, mas ela tem mais personalidade e é tão amiga de Jane que tudo o que quer é a felicidade dela. 

  As coisas começam a ficar agitadas quando um tal  Sr.Bingley se muda para Netherfield (outra casa) que fica na vizinhança e junto com ele vem suas irmãs metidas e seu bom amigo, o Mr.Darcy. De cara Bingley se interessa por Jane o que meio que aproxima Lizzie de Darcy, mas depois de um comentário malvado vindo do mesmo, Lizzie quer o máximo de distancia entre eles,  enquanto que Darcy se encontra cada vez mais interessado por Lizzie e suas maneiras despretensiosas. Mas numa época tão rigorosa quanto a maneiras e onde o amor não importa muito para se casar, além de todos os orgulhos e preconceitos de nossos personagens, vai demorar um pouco até que eles encontrem sua felicidade.
Elizabeth sentia a sua cólera crescer de momento a momento; apesar disso procurou falar com toda a calma: — O senhor está enganado, Mr. Darcy. A sua atitude pouco cavalheiresca apenas me poupou o desgosto de recusar o seu pedido, se tivesse sido feito de outra forma.
  Ainnnn, como amo esse livro. Primeiro Lizzie, a história pode ser antiga e a sociedade é arcaica, mas Lizzie é como a maioria das mulheres deste século. Independente e esperta, e não tem medo de expressar opiniões e nada perfeita como a boa Jane. Sério, Jane Austen escreveu esse livro há séculos e ela conseguiu criar uma personagem que até hoje mulheres se inspiram. Que diva! Aí temos Darcy que não lembra em nada um príncipe, apesar do cenário. Ele é mal-humorado e metido e tão fechado, totalmente o oposto de Lizzie, mas é tão lindo como vamos descobrindo como ele realmente é ao longo do livro, que de repente ele vira esse homem incrível e até mesmo seus defeitos, o torna mais incrível. E no meio disso tudo temos toda essa época onde conversar era uma arte, diálogos eram tão bem explorados e as condutas eram tão importantes... é lindo. Claro que temos também a questão de casamentos sem amor e a sociedade aristocrata era tão massacrante e todo um conjunto de personagens que se acham melhores por seus status. Sim, temos um livro completo. Além de todo o acaso que torna tudo uma surpresa. ***suspiros***
Mas acima de tudo, acima do respeito e da estima, encontrava em si mesma um motivo de boa vontade que seria impossível desprezar: era a gratidão. Gratidão não somente porque a amara, mas porque ainda a amava bastante para esquecer toda a acrimônia e petulância com que ela o rejeitara e todas as acusações injustas com que acompanhara essa rejeição.
  Com O Diário de Mr.Darcy temos a mesma história, só que dessa vez explorando os pensamentos de Darcy e sua relação com os Bingley e sua própria família em si e todos os dramas que só conhecemos parcialmente em O&P. E garanto a vocês, que depois de lido esses dois vocês irão absorver Darcy como o cara ideal pra qualquer mulher em qualquer tempo. Seu único defeito pra variar, é não existir :(

  Minha música escolhida foi Nocaute do Jorge e Mateus ... parece que eles leram O Diário de Mr.Darcy quando fizeram essa música, não duvido de nada!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou do post? Então comente e me faça feliz...
Encontrou algum erro de ortografia ou qualquer outra pérola? Mande-nos um e-mail avisando!
Obrigada pela visita!! Volte SEMPRE!!!!!
Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...