-

Resenha - A Filha do Pastor Das Árvores - Gillian Summers


Lido em: Junho de 2012
Título: A Filha do Pastor Das Árvores
Autor: Gillian Summers
Editora: Bertrand Brasils
Gênero: Fantasia
Páginas: 280
Ano: 2011
Comprar: Submarino, Saraiva
Nota:
Com a morte da mãe, Keelie Heartwood, uma jovem de apenas quinze anos, é forçada a deixar sua adorada Califórnia para viver com o pai nômade no Festival da Renascença de Montanha Alta, no Colorado. Lá, coisas estranhas começam a acontecer — estranhas mas familiares. Keelie percebe que algumas pessoas do festival têm orelhas pontudas, incluindo o cavaleiro mais bonito do lugar, Lorde Sean do Bosque. Quando ela começa a ver seres estranhos e a se comunicar com árvores, descobre que existe um segredo a seu respeito e percebe que seu pai lhe deve explicações.
Eu achei a narrativa um pouco tediosa. Dessas que você acaba levando mais tempo do que desejava para ler. Ele é narrado em primeira pessoa e a protagonista - Keelie - me deixou com raiva, ela é muito indecisa e cheia de dileminhas insignificantes que acabam tirando do sério qualquer um. Eu realmente fujo de livros onde os personagens sejam muito novos (menos de 18), mas eu havia gostado da proposta do livro e acabei comprando-o, algo que não de todo não me arrependo, mas que com certeza reforça minha tese de que não sirvo para livros dessa faixa etária.

Keelie vê coisas estranhas e mágicas acontecerem a sua volta e as ignora, finge que não vê. Ela tem uma afinidade incrível com as árvores e os animais e tenta negar até o fim. Ela acha que se passar a acreditar nesse mundo vai ir perdendo aos poucos o que restou da vida antiga que levava com a mãe antes de ir morar com o pai que tem costumes estranhos, o qual ela nunca teve muito contato antes. Até que é compreensível ela se sentir meio perturbada com a mudança repentina que teve a vida dela, mas a menina é simplesmente irritante, fica a maior parte do tempo reclamando e planejando uma forma de voltar a morar na Califórnia com sua amiga.

Aberração. Desde o jardim de infância, as zombarias ecoavam em sua mente. Keelie aprendeu a manter em segredo sua estranha maldição. Não era nem um pouco útil identificar móveis. Algumas pessoas evocavam espíritos; ela, árvores.

O livro tem um toque medieval. Tudo se passa em uma pequena vila, onde acontece o Festival da Renascença e os personagens se vestem e falam como se realmente estivessem na época dos cavaleiros da távola redonda. Isso eu considero um ponto positivo. Gillian conseguiu criar um mundo mágico, onde seres encantados vivem sem que o ser humano normal perceba a diferença e tudo isso próximo a cidade grande e a modernização.

As partes em que eu me diverti e achei que a leitura não estava realmente perdida foram as que envolviam Keelie e o gato Knot. Eles acabam desenvolvendo uma relação de amor e ódio, e o gato faz de tudo para perturbar a garota, até fazer xixi nas roupas dela ele faz. Ele é muito independente e inteligente para ser considerado um simples animal de estimação.

A história só começa a fazer sentido após algumas páginas, ficando para o final a maior parte das informações interessantes e relevantes, não que isso não aconteça com quase todos os livros, mas nesse isso deixou ainda menos empolgante já que lemos muito e ficamos com a sensação de ainda estar no mesmo lugar. Enfim, espero que o próximo livro da série tenha mais ação e os personagens, no geral, evoluam mais durante a trama.

Bom,  vou ficando por aqui!
Beijinhos a todos!!

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Eu tenho vontade de ler só pela capa que é muito linda ^.^

    ResponderExcluir
  2. Nunca tinha lido nada sobre esse livro, nem visto nenhuma resenha, mas embora não tenhas gostado muito eu fiquei interessada. E achei a capa maravilhosa *-*
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir

Gostou do post? Então comente e me faça feliz...
Encontrou algum erro de ortografia ou qualquer outra pérola? Mande-nos um e-mail avisando!
Obrigada pela visita!! Volte SEMPRE!!!!!
Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...